QUINTA-FEIRA
16 de Agosto de 2018 | 21:30
O ministro da Educação, Tiago Brandão RodriguesO ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues

Ministro da Educação pede colaboração do SJ para combater violência no Desporto

Publicado a 12/06/2018 NOTÍCIAS

Sindicato dos Jornalistas foi recebido, em audiência, por Tiago Brandão Rodrigues.


O Sindicato dos Jornalistas (SJ) foi recebido hoje, em audiência, pelo ministro da Educação, para falar sobre violência no Desporto.
Preocupado com o ambiente de crispação no Desporto, nomeadamente no Futebol, o ministro da Educação, que tutela também o Desporto, pediu a colaboração do SJ para denunciar e combater a violência e para fazer pontes com os jornalistas e os órgãos de informação no sentido de promover o exercício de um jornalismo responsável e de qualidade.
O SJ recordou que já se reuniu com os órgãos de comunicação social, aos quais manifestou a importância de uma posição conjunta em defesa da credibilidade do jornalismo, que não pode ser passivamente conivente com o atual estado de coisas.
Sublinhando que muitos dos agentes que contribuem para exacerbar o atual clima não são jornalistas, o SJ voltou a frisar a importância da intervenção da Entidade Reguladora para a Comunicação Social.
O SJ informou ainda o ministro da Educação de que a última assembleia anual da Federação Europeia de Jornalistas (FEJ), realizada em Lisboa, no passado dia 6, aprovou uma moção que, reconhecendo que a violência contra os jornalistas que cobrem Desporto é uma realidade crescente, exige um reforço da proteção legal dos jornalistas.
Realçando que o Desporto surge a par com a Educação, desde logo na tutela que partilham, e que, por essa via, tem uma importante responsabilidade na formação dos mais jovens, o SJ lamenta que o Futebol, tema que interessa ao público e apaixona multidões, esteja a servir para alimentar climas de ódio e perseguição, em vez de cumprir a sua importante função social.
O SJ tem reportado todos os casos de violência ou ameaça contra jornalistas às entidades competentes, desde que a Assembleia da República aprovou uma alteração do Código Penal que passou a considerar crime público "as agressões a jornalistas no exercício das suas funções ou por causa delas" e que os jornalistas passaram a integrar a lista de profissões com direito a "proteção acrescida".
O Sindicato dos Jornalistas considera que não são necessárias mais leis, importa é monitorizar e fiscalizar a aplicação prática das já existentes e impor sanções aos que as transgridem, dentro ou fora dos recintos desportivos.
O SJ assinala que a liberdade de imprensa, pilar fundamental da democracia, está a ser condicionada por pressões ilegítimas e ameaças graves à integridade física e à dignidade profissional dos jornalistas.

Versão para Imprimir