Deontológico pronuncia-se sobre divulgação de gravações do interrogatório a Sócrates

Publicado a 29/03/2016

Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas critica critérios adoptados pela CMTV.


"Só uma situação de excepcionalidade poderia justificar a transmissão dos áudios e vídeos dos interrogatórios, quando estivesse em causa um elemento novo e de relevante interesse público. Ora em boa verdade tal não acontece, uma vez que as imagens transmitidas dizem respeito a escutas que já tinham sido reveladas e nada vêm acrescentar ao que já era do domínio público."

É este o entendimento do Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas, em nota divulgado esta terça-feira, sobre a divulgação por parte da CMTV de imagens e sons do primeiro interrogatório judicial a José Sócrates, no âmbito da chamada Operação Marquês.

A nota do CD pode ser lida na íntegra no documento anexo.